segunda-feira, 24 de novembro de 2008

PIC PEDAGOGIA na Semana de Letras (UNESA)

Nesse texto relatamos como foi a nossa apresentação na Semana de Letras e um pouco dos sentimentos do grupo que apresentou. Narramos em forma de diálogo, um passando a palavra para o outro como numa roda de conversa. Que vocês, leitores, nos acompanhem nesse bate-papo...

A ausência do Blog naquele dia nos deixou sem palavras. Estávamos participando da Jornada de Letras eu, Monique e Gian, com a certeza de que o protagonista maior daquela apresentação seria o Blog. Deveríamos demonstrar todo aquele universo virtual onde inúmeras experiências com a narrativa estavam presentes. No entanto, teimamos em esquecer, sempre, que a tecnologia nos deixa a deriva e nesse caso levando as nossas palavras.

Não tínhamos saída, estavam todos ali na platéia observando, e aguardando pelo início daquela palestra da qual o protagonista tinha “dado no pé”. Acuados diante de tal situação, saímos à captura desesperada por palavras que pudessem suprir a ausência do Blog. Mas nesse ponto passo a palavra para Gian que narrará a sua bem sucedida captura.

Costumo estar preparado para eventuais contratempos. Como estou acostumado a dar palestras e cursos, já me aconteceu de faltar material ou recursos na hora “H”, e precisar adaptar-me ao momento. Foi o que ocorreu no dia da apresentação da palestra sobre o BLOG (e na falta dele). Foi preciso encarar o público e dar o recado, não havia outra maneira.

Uma experiência, por mais desafiante que seja, sempre é um grande aprendizado. Não encarei as condições como um problema, mas como oportunidade de improviso. Eu acho que, tanto a Monique, quanto a Célia deram bem o seu recado. Se faltou algo, acabamos “perdoados”, porque um evento numa faculdade sempre é algo corrido e exige grande “jogo de cintura”.

Minha impressão é que, de forma geral, o público gostou. O assunto é uma novidade, então a curiosidade foi superior à crítica. Notei que todos olhavam interessados. Pela falta da ferramenta “técnica”, ficou uma lacuna, mas não um “abismo”. Além do que, tivemos a oportunidade de passar nosso endereço na rede para todos conhecerem nosso trabalho.

A minha maior dificuldade foi perceber uma certa insegurança causada pela surpresa desagradável da ausência da internet e não conseguir acalmar as colegas como gostaria. Mas, é assim mesmo.

Discursamos sobre o que é o projeto, do que se trata o BLOG, como ele entrou como recurso e que foco demos ao trabalho. Importante ressaltar que a abordagem foi em cima de “Memórias e Narrativas”.

No final tudo deu certo. A minha colega Monique tem algo a dizer sobre sua intensa experiência nesta apresentação.

Gian, você de fato teve um excelente jogo de cintura. Já eu fiquei muito ansiosa quase não consegui me expressar. Não foi só o protagonista que “deu no pé”, as minhas palavras tambéééééém!!!!!

É incrível como as emoções interferem na razão, o mesmo tipo de apresentação já havia acontecido na Jornada Científica e nos saímos muito bem, já na Jornada de Letras a falta da nossa principal ferramenta causou-me grande desequilíbrio. Mas, como nada acontece em vão, os desequilíbrios servem para que possamos crescer. Dessa forma a falta das palavras pode ser compensada com uma vista no BLOG já que os expectadores ficaram tão curiosos, como narrou o Gian. Caro amigo Gian, contamos com você para fazer a propaganda em sua turma.

Célia, Giancarlo e Monique

3 comentários:

Adriana Hoffmann disse...

Gian, Célia e Monique,
Vocês fizeram um texto pessoal que, digamos,diz respeito estreitamente à experiência vivida por vocês na apresentação. Muito bom! Um jeito diferente de contar de forma dialogada. Mas que isso sirva de alento para que vocês e também nossos leitores saibam que, muitas vezes,somos pegos de surpresa na vida e temos que improvisar.Isso acontece em eventos e também na sala de aula quando alguns equipamentos ou materiais nos deixam na mão... Isso faz parte, todos passam por isso por mais experiência que tenham.
Beijos,
Adriana

Sandra La Cava disse...

Célia, Monique e Giancarlo,
A música já diz: "Fé na vida, fé no homem, fé no que virá...Nós podemos tudo, nós podemos mais! Vamos lá fazer o que será!"
Pude ver que vocês fizeram, com criatividade, o que deveriam fazer...É assim, na vida. Surpresas demandam nossa inventividade, ruptura com o determinado. E esta é a grande possibilidade que só o ser humano tem, de intervir no real, criando soluções! Parabéns pelo relato da experiência que anima as outras pessoas a crescer.
Sandra La Cava

Célia Maria Ribeiro disse...

Poderíamos tentar apagar as experiências que não ocorrem da maneira que esperamos, como no filme "O Brilho Eterno de uma mente sem Lembranças",mas ao contrário,ao iniciar o relato da Semana de Letras minha intenção era rir do que ocorreu, e através de sua narração depurar todo aquele mau estar acarretado pelos imprevistos. Mas ao ler o texto na integra vejo que Gian, Monique e eu estávamos em sintonias diferentes.Tivemos olhares distintos, talvez o meu tenha sido muito pessoal.
Abraços a todos.
Célia