sexta-feira, 7 de novembro de 2008

A ENTREVISTA NA PESQUISA – REFLEXÕES SOBRE O SEU USO

Enquanto não relatamos a experiência dos últimos eventos vividos na UFRRJ e na Semana de Letras trazemos um pouco da discussão metodológica da pesquisa em processo de realização.
Neste texto apresentamos a escolha metodológica feita pelo nosso grupo de pesquisa. A partir de discussões e do conhecimento a respeito de tipos de pesquisa que já foram apresentados ao grupo (grande parte de seus componentes está finalizando sua graduação e somente um participante se encontra nos períodos iniciais) entendemos que a escolha pela pesquisa qualitativa seria a mais adequada tendo em vista os objetivos a serem alcançados.
Escolher tal tipo de pesquisa partiu da premissa de se considerar os fenômenos sociais pertencentes a um nível da realidade que não pode ser quantificado. A compreensão dos processos de leitura só é possível em função do entendimento das interrelações que emergem de um determinado contexto. Por se tratar de uma pesquisa que envolve processos sociais transcende ao nível descritivo possibilitando um maior aprofundamento nas questões que são propostas pelo estudo.
Como a pesquisa qualitativa não se baseia na quantidade de indivíduos pesquisados, mas sim na representatividade que o universo pesquisado pode explicitar, optou-se por trabalhar com um mesmo número de entrevistados em cada Curso de Graduação envolvido. A partir daí, efetivou-se a aplicação de entrevista semi-estruturada para, em seguida, ser realizada a análise, tendo em vista as questões da pesquisa. Tais questões foram identificadas como categorias de análise, ou seja, como parâmetros que orientarão nosso olhar para as entrevistas feitas.
As entrevistas estão sendo realizadas junto a alunos dos cursos de Comunicação, Letras e Pedagogia. Para sua realização foi elaborado com o grupo do PIC um roteiro de questões referentes às buscas e questionamentos da pesquisa. Tais questões remetem aos objetivos pretendidos pela pesquisa já apontados anteriormente procurando organizar nosso olhar a partir de quatro eixos.
Os eixos que conduziram a entrevista dizem respeito: ao conceito de leitura que o entrevistado possuí; às leituras e narrativas vividas; à questão do tempo e espaço na sua relação com sua vivência de leitura e também aos suportes narrativos e de leitura utilizados pelo entrevistado.
Ao fim da entrevista e sua análise, em processo no momento, faremos considerações finais sobre a investigação. Esperamos que essa breve pesquisa possa ter contribuído para a ampliação do conhecimento do processo de leitura e narrativa dentro da universidade.
Célia Ribeiro

4 comentários:

Giancarlo disse...

Oi Célia,

Bastante eludativa sua explicação, me deu mais aparato para a realização de futuras entrevistas, norteando-me tecnicamente.
Obrigado por compartilhar conosco!
Beijos!
Gian

Adriana Hoffmann disse...

Oi Célia!
Seu texto ficou muito bom! Deu trabalho! É muito difícil escrever sucintamente sobre um assunto referente à metodologia da pesquisa. Parabéns por ter aceito esse desafio!
Beijos,
Adriana

Sandra La Cava disse...

Nada como uma aluna já envolvida na pesquisa e já conhecedora de seus passos para abordar uma questão metodológica!
Parabéns pela explicação!
Sandra La Cava

Silvia disse...

Parabéns, Célia! Muito pertinente trazer a discussão metodológica para o "palco" de seu blog. Indico a você um amigo: Paul Thompson. Ele nos diz que "há muitos estilos diferentes de entrevistas, que vão desde a que se faz sob a forma de conversa amigável e informal até o estilo mais formal e controlado de perguntar"(2002:254). Vale a pena conhecê-lo! Ou já o conhece? Já é seu amigo também?
Um abraço da Silvia.