segunda-feira, 23 de março de 2009

O ler e contar histórias... na prisão...

Através do blog Bibliofilmes tivemos conhecimento do vídeo de uma Oficina de Literatura realizada por Luiz Alberto Mendes, do Instituto EcoFuturo, no ano de 2007, numa cadeia brasileira. Luiz Mendes, o protagonista do vídeo, entrou semi-analfabeto na prisão com 17 anos e saiu de lá 32 anos mais tarde na pele de um escritor consagrado com livros editados pela Companhia das Letras tendo sido inclusive indicado ao Prêmio Jabuti.
O vídeo que vocês viram é de autoria de Raimo Benedetti. E então, o que pensaram a partir dele?
Fontes:
Site do Instituto Eco futuro: http://www.ecofuturo.org.br/
Blog Bibliofilmes: http://bibliofilmes.blogspot.com/

7 comentários:

Marcio disse...

Ser livre é ter a cabeça livre, como mostra este excelente post. Quantos de nós permanecemos presos, apesar de estarmos livres?
Pensei em um amigo que desenvolve trabalho semelhante com apenados. Elionaldo: este post tem além do belíssimo trabalho do protagonista, o espírito de sua tese de mestrado.
As cadeias podem ser sim, centros de libertação dos apenados, através da educação.

Célia Ribeiro disse...

Que história!!!
A descoberta dessas pessoas de si mesmas através da leitura de suas prórias escritas repletas de tantas vidas. Maravilha o trabalho desse rapaz.
Obrigada Adriana por mais esse presente.

Adriana Hoffmann disse...

Célia e Márcio,
Obrigada por aparecerem por aqui.Muito bom para pensarmos. Vou convidar o Elionaldo que estuda o sistema prisional e trabalha com ele para opinar também nesse post. Aguardem! Esperamos que ele apareça por aqui...
Beijos,
Adriana

Adrianne Ogêda disse...

Que desafio enfrentar um lugar com tantos abismos. Trabalho louvável.
Dri, adorei o bichinho que se alimenta de comentários, genial.

Monique Carnevalli disse...

O Luiz Mendes é a prova de que não somos apenas produto do meio em que vivemos nossa subjetividade também atua em nossas vidas.
Não lhe faltou forças para fazer a diferenças, não apenas em sua vida, mas igualmente na vida de tanto outros.
Luiz, parabéns por sua iniciativa. Nosso mundo precisa de pessoas grandes assim!

Adriana Hoffmann disse...

Drika e Monique,
Obrigada pelas palavras!! Bom ter vocês sempre por aqui...
Beijos,
Adriana

Miguel Horta disse...

partilho aqui um dos meus projetos a decorrer em Portugal (em diversos estabelecimentos prisionais) : http://miguel-horta.blogspot.pt/2012/07/o-gradao-amarelo.html